Não ir a Sintra é quase um sacrilégio

Palácio da Pena, em Sintra

Palácio da Pena, em Sintra

Nos relatos de muitos dos turistas que já se aventuraram por terras lusitanas, é notório o fascínio por Sintra. Antes da minha ida a Portugal, em março deste ano, eu sabia pouco ou quase nada sobre essa cidadezinha de quase 380.000 habitantes. Agora que a conheço, sou mais um de seus admiradores, que acredita que quem vai a Lisboa e deixa de ir lá comete quase um sacrilégio.

Embora, ao longo deste post, eu me refira a Sintra como uma cidadezinha, ela é, na verdade, uma vila e tem se recusado a ser elevada à categoria de cidade, ainda que seja um dos municípios mais populosos de Portugal.

Sintra

Sintra

Conquanto pequena, Sintra possui atrações espetaculares, as quais contam muita história, expõem requintes arquitetônicos, revelam paisagens deslumbrantes e ostentam uma genialidade cativante. Eu e o Élcio reservamos apenas um dia para conhecer parte dessa riqueza, e lamentamos não ter conseguido visitar tantos outros pontos turísticos da cidade. Mesmo com um roteiro bastante editado, não tivemos tempo suficiente para explorar as atrações como queríamos. Para um turismo feito de maneira básica, um dia em Sintra basta. Contudo, a cidade merece mais que uma simples jornada na base da correria.

Edificações do centro histórico de Sintra

Edificações do centro histórico de Sintra

Dica - Fui e Vou Voltar - Alessandro PaivaIr lá é muito simples. Basta pegar o comboio (trem em português de Portugal) que parte a cada 20 ou 30 minutos (depende do horário) na Estação Ferroviária do Rossio, em Lisboa. A viagem dura cerca de 40 minutos. O bilhete custa 3,60 € e pode ser pago com o cartão viva viagem.

Pegamos o comboio das 8h23. Às 9h35, já em Sintra, embarcamos no 434, ônibus turístico do tipo hop on hop off, da empresa Scotturb.

Ônibus 434, da Scotturb

Ônibus 434, da Scotturb

Dica - Fui e Vou Voltar - Alessandro PaivaConhecer Sintra a pé pode ser um programa sensacional, desde que o turista esteja fisicamente bem preparado e disposto a seguir por longas caminhadas em morros intermináveis. Já li sobre gente que fez assim e adorou cada minuto, afinal a cidade é intercalada por belas construções e paisagens estonteantes. Para quem não se enquadra nesse perfil aventureiro quase atlético, a dica é utilizar as carreiras (linhas) 434 e/ou 435, percorridas em ônibus hop on hop off da empresa Scotturb. Cada uma dessas linhas faz um trajeto circular que passa pelos principais pontos turísticos da cidade. O ponto final de ambas fica a poucos metros da estação, na Av. Doutor Miguel Bombarda. A carreira 434 passa no centro histórico (com destaque para o Palácio Nacional de Sintra), no Castelo dos Mouros, no Palácio da Pena e no Museu do Brinquedo. O bilhete custa 5 € e pode ser adquirido dentro do próprio ônibus. Já a passagem da linha 435 custa um pouco menos (não me lembro do valor). Seu ônibus passa no centro histórico, na Quinta da Regaleira, nos palácios de Seteais e de Monserrate e no Museu do Brinquedo. Por serem do tipo hop on hop off, o turista pode embarcar e desembarcar nas atrações sem ter que adquirir novo bilhete. Para informações sobre os horários de partida, acesse www.scotturb.com e clique no menu “carreiras”.

Como nosso tempo era curto, elegemos quatro das principais atrações da cidade para serem visitadas: o Palácio Nacional de Sintra, o Castelo dos Mouros, o Palácio da Pena e a Quinta da Regaleira, além de uma pequena caminhada pelo centro histórico.

Começamos pelo Palácio Nacional de Sintra, que já foi um dos palácios reais e hoje é utilizado pelo estado com fins turísticos e culturais.

Palácio Nacional de Sintra

Palácio Nacional de Sintra

Construído a partir do século 15, abrigou a Família Real Portuguesa até o fim da monarquia, em 1910. A edificação ostenta traços medievais, góticos, renascentistas e manuelinos, da qual se erguem duas chaminés, que são sua marca registrada.

Chaminés do Palácio Nacional de Sintra

Chaminés do Palácio Nacional de Sintra

Capela do Palácio Nacional de Sintra

Capela do Palácio Nacional de Sintra

Seu interior é belíssimo, mas o que mais chamou nossa atenção foi a cozinha. De todos os palácios que visitamos na Europa, aquele foi o primeiro em que vimos esse cômodo, com exceção do Topkapı, em Istambul, que mostra a cozinha, mas apenas o espaço onde ela se localizava, sem seus móveis, equipamentos e utensílios.

Cozinha do Palácio Nacional de Sintra

Cozinha do Palácio Nacional de Sintra

Talvez a exposição da cozinha do Palácio Nacional de Sintra se explique no fato de que dela é que surgem as monumentais chaminés.

Palácio Nacional de Sintra Visto do Castelo dos Mouros

Palácio Nacional de Sintra Visto do Castelo dos Mouros

Fonte na entrada do Palácio Nacional de Sintra

Fonte na entrada do Palácio Nacional de Sintra

O palácio fica aberto ao público diariamente, das 9h30 às 19h (último bilhete vendido às 18h30). Depois de visitá-lo, reembarcamos no 434 e seguimos montanha acima até o admirável Castelo dos Mouros.

Castelo dos Mouros
Castelo dos Mouros. Oceano Atlântico ao fundo

A fortificação foi erguida entre séculos 8 e 9, durante a invasão muçulmana da Península Ibérica. É um dos lugares mais bonitos que já conheci, tanto pela construção em si quanto pela vista que se abre em meio à robustez de suas muralhas. Sem falar na beleza de sua história, marcada por incursões, conquistas, derrotas e reconquistas.

Castelo dos Mouros

Castelo dos Mouros

Uma das torres do Castelo dos Mouros

Uma das torres do Castelo dos Mouros

Quando me deparei com sua escadaria interminável, previ o esgotamento de um frasco de Bufferin 500 mg. Eu tinha certeza que as dores no joelho estariam implacáveis no dia seguinte – ou naquela noite –, mas me enganei redondamente. O Oceano Atlântico e as paisagens rurais que circundam o castelo funcionaram como um anti-inflamatório natural, que revigoraram minhas articulações a cada degrau escalado.

Muralha do Castelo dos Mouros

Muralha do Castelo dos Mouros

Castelo dos Mouros (via Instagram)

Castelo dos Mouros (via Instagram)

Castelo dos Mouros

Castelo dos Mouros

Cisterna do Castelo dos Mouros

Cisterna do Castelo dos Mouros

O castelo fica aberto para visitação das 9h30 às 20h (último bilhete vendido às 19h). De lá, pegamos novamente o 434, descendo no ponto do Palácio da Pena.

Palácio da Pena visto do Castelo dos Mouros

Palácio da Pena visto do Castelo dos Mouros

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

O Palácio da Pena é o expoente máximo do romantismo do século 19 em Portugal, reconhecido por ser o primeiro palácio da Europa a ser construído nesse estilo. Antes, fora um convento, impiedosamente reduzido a ruínas com o terremoto de 1755. No século 19, o rei consorte Fernando II passou por ali e ficou maravilhado com o que restou do convento e com a vista exuberante das redondezas, assinalada pelo Castelo dos Mouros e pela beleza absoluta das paisagens naturais. Por isso, decidiu construir ali sua futura residência de verão, em 1839. Eu moraria lá fácil!

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Seja por dentro, por fora ou à distância, o Palácio da Pena é lindo de morrer! Não é à toa que em julho de 2007 foi eleito uma das Sete maravilhas de Portugal.

Palácio da Pena. Oceano Atlântico ao fundo

Palácio da Pena. Oceano Atlântico ao fundo

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena. Oceano Atlântico ao fundo

Palácio da Pena. Oceano Atlântico ao fundo

O palácio é apenas uma parte do Parque Nacional da Pena. Para conhecer todo o complexo, precisaríamos de mais algumas horas, o que estaria fora de cogitação. Uma pena… (trocadilho dispensado). O horário de funcionamento do parque vai das 9h30 às 20h (último bilhete vendido às 19h). Já o palácio fica aberto das 9h45 às 19h (último bilhete vendido às 18h15).

Mais uma vez, embarcamos no 434 e descemos no ponto do Palácio Nacional de Sintra. Estávamos famintos, então fizemos uma parada para uma refeição acompanhada de um bom vinho português.

Embutido

Embutido

Coxas de frango cozidas

Coxas de frango cozidas

Em meus relatos, regularmente, cito as pausas para almoço na intenção de demarcar o andamento das nossas jornadas. Todavia, em Portugal, parar para almoçar ou jantar é mais do que uma etapa da programação do viajante. É um rito turístico. Confesso que não sou fã da gastronomia lusitana, mas reconheço sua peculiaridade. Sem falar das padarias, pastelarias (hum, Pastel de Belém…), confeitarias, queijarias, entre outros.

Após o almoço, a próxima atração seria a Quinta da Regaleira, na minha opinião o lugar mais bacana – digamos excepcional – de Sintra. Para chegar lá, teríamos que pegar o ônibus 435. Porém, ao verificar no mapa, percebemos que não estávamos muito distantes, então fomos andando.

Palácio da Regalera, na Quinta da Regalera

Palácio da Regalera, na Quinta da Regalera

Quinta da Regaleira possui uma área de quatro hectares que abriga um palácio, jardins luxuosos, lagos, grutas e construções enigmáticas que ocultam significados proclamados por sociedades como a Maçonaria, os Templários e a Rosa-cruz. Seu projeto, um tanto genial, evoca elementos intelectuais não menos divertidos. A propriedade data do século 17 e passou nas mãos de vários donos. Porém, somente em 1904, foram iniciadas as obras que deram origem à sua forma atual. O brasileiro Antônio Augusto Carvalho Monteiro, então proprietário, foi responsável por grande parte do mistério simbólico e iconográfico do local.

Dentre as atrações da quinta, destacam-se O Palácio da Regaleira, a Torre da Regaleira, a Capela da Santíssima Trindade, o Portal dos Guardiães, a Gruta da Leda, o Poço Imperfeito e o Poço Iniciático.

Torre da Regaleira

Torre da Regaleira, na Quinta da Regaleira

Capela da Santíssima Trindade

Capela da Santíssima Trindade, na Quinta da Regaleira

Portal dos Guardiães

Portal dos Guardiães, na Quinta da Regaleira

Poço Imperfeito

Poço Imperfeito, na Quinta da Regaleira

As atrações que mais me fascinaram na Quinta da Regaleira foram o Poço Iniciático e a galeria subterrânea a que ele dá acesso. O poço, que se acredita ter sido usado em rituais de iniciação à maçonaria (daí seu nome Iniciático), possui uma escadaria espiralada de nove patamares, invocando a Divina Comédia de Dante e os nove círculos do inferno, do paraíso e do purgatório. No fim da escadaria, existe uma rosa dos ventos sobre uma cruz templária, uma alusão à Ordem de Rosa-cruz.

Poço Iniciático

Poço Iniciático, na Quinta da Regaleira

Poço Iniciático

Poço Iniciático, na Quinta da Regaleira

Assim que chegamos ao fundo do Poço Iniciático, fomos surpreendidos por várias galerias que o ligam à Entrada dos Guardiães, ao Lago da Cascata, à Gruta do Oriente e ao Poço Imperfeito. Como se todo o conceito empregado na construção desses locais não bastasse, as galerias, que são cobertas com pedras extraídas da orla marítima da região de Peniche, fazem referência a um mundo submerso.

Túnel subterrâneo

Galeria, na Quinta da Regaleira

Saída do túnel no Lago da Cascata

Saída do túnel no Lago da Cascata, na Quinta da Regaleira

Lago da Cascata

Lago da Cascata, na Quinta da Regaleira

Não havia turista pouco encantado na Quinta da Regaleira. Mesmo que estivéssemos extasiados com tanta beleza e originalidade, fizemos nosso trajeto de forma errada. Recebemos um mapa na entrada, mas fomos caminhando a esmo, negligenciando o percurso mais eficiente. Embora nosso desleixo tenha nos proporcionado bastante surpresa, perdemos um bocado de tempo procurando entender a quinta e percorremos muito caminho repetido tentando acertar as trilhas.

Gruta do Labirinto, na Quinta da Regaleira

Gruta do Labirinto, na Quinta da Regaleira

Gruta do Aquário, na Quinta da Regaleira

Gruta do Aquário, na Quinta da Regaleira

Anúncios

Sobre Alessandro Paiva

A graphic designer who loves cocktail and travelling. Check my cocktail blog at pourmesamis.com, my travelling blog at fuievouvoltar.com and my graphic design portfolio at www.alessandropaiva.com.

  1. Rúbia

    Alessandro, que lugar maravilhoso! E as fotos estão muito lindas.

    • Alessandro Paiva

      Ó… achei que você tivesse ido a Sintra, Rúbia. E não ache que são as fotos, a cidade é muito fotogênica. não tem foto que sai mais ou menos 🙂

      Bjs e obrigado pelo comentário!

  2. Eu tenho lembranças de minhas viagens guardadas na minha eternidade…Simplesmente amo a menina Lisboa….

    • Alessandro Paiva

      Pois é, Fernando. Digo o mesmo. Não só Lisboa, mas Portugal também é muito bacana. Além de Lisboa, pude ir somente a Sintra e a Coimbra. Dessa pequena amostra, tenho recordações muito especiais. Abraço!

  3. WAGNER ARTUR

    Alessandro, muito linda Sintra. Podes me dizer o tempo gasto (mais ou menos) que vc fez em cada atracao (Quinta da Regaleira, Castelo Mouros e Palacio Pena). Obrigado

    • Alessandro Paiva

      Olá, Wagner! Para o Castelo dos Mouros, gastamos 1 hora e 20 minutos. Para o Palácio Pena, 1 hora e meia. Por fim, gastamos também 1 hora e meia na Quinta da Regaleira. Lembrando que o Palácio Pena está localizado no Parque da Pena. Fomos somente ao palácio. Para conhecer o parque, você irá precisar de mais tempo, acredito que por volta de uma hora a mais. Abraço e ótima viagem!

  4. Sueli

    Oi Alessandro
    Concordo com você, Portugal foi uma surpresa para mim, simplesmente adorei, fui a primeira vez por cinco dias, depois retornei dessa vez por quinze dias e pretendo voltar novamente. Abraços

    • Alessandro Paiva

      Nossa! Terei que fazer como você, Sueli, rsrsr! Esse negócio de ficar só alguns dias não rola mais 🙂 Abraço e ótimos retornos!

  5. Denise

    Olá Alessandro!
    Parabéns, você faz belíssimos relatos, tanto de Lisboa quanto de Sintra, gostei bastante!
    Estarei nos dois locais em Abril e seus comentários foram muito úteis, além de serem uma prazerosa leitura.
    Abraços!

    • Alessandro Paiva

      Denise, muito obrigado 🙂 Belas cidades merecem um cuidado especial ao se fazer um relato. Juro que me esforcei 🙂 Que bom que você gostou. Abraço e ótima viagem!

  6. Bom, comigo a história é diferente 😀 Na realidade, eu vivo em Lisboa, embora, seja do Norte de Portugal (Porto), a cidade que lhe faltou visitar e que – acredite – iria ficar enamorado dela ! Usualmente, costumo visitar mais do que uma vez ao ano todos os sítios por onde passou ( parece que a gente nunca se cansa né?), principalmente de Sintra que é belíssima e Cascais que também tem uma beleza incontestável. Eu amo o meu Porto mas vim para Lisboa e fiquei a amar, Por exemplo, estamos em inícios de Abril e já estão 30º graus; dá para não adorar ? Da próxima vez que vier a Portugal experimente (se quiser seguir em direção ao Sul) visitar a Serra da Arrábida (sitío magnifico, a nossa Côte D`Azur), Tróia (para onde atravessa de Ferry) e toda a costa Vicentina…Tente ir a Sesimbra e perguntar pela praia Ribeira do Cavalo (é uma prainha selvagem de difícil acesso pedestre mas tipo Caraíbas 😀 ), Porto Covo, Vila Nova de Milfontes, o Algarve (claro) e claro não se esqueça do Alentejo porque, apesar de cidades pequeninas como Évora, Beja e Elvas, aposto que vai AMAR … Eu vi todas as suas viagens e depois só pensava ” Poça como nós – Portugal – somos ensolarados comparativamente com os outros países :p “

    • Alessandro Paiva

      Oi, Vanessa! Sua mensagem me deixou com mais saudades ainda de Portugal! AMO sua terra 🙂 Porto, sem dúvida, está marcada em meus destinos, e suas sugestões são o máximo! Nunca ouvi falar de alguns dos lugares que você mencionou, e isso me deixou curiosíssimo. Parece ser turismo de primeira qualidade. Aposto que muito leitor do blog, ao ler suas dicas, sentirá o mesmo.

      Comparando a outros países, Portugal não é só ensolarado, mas também colorido, divertido, histórico, saboroso, de gente interessante e amiga etc.! Estou certo que voltarei 🙂

      Abraços e muito obrigado pela visita!

  7. alexandre

    E Lisboa entrou no leque de opções. Kkkk! Mas que beleza que é Sintra!

    Lendo o comentário da Vanessa, a gente percebe como Portugal tem paisagens incríveis e surpreendentes. Ilha da Madeira e Açores também devem ser incríveis!

    Você tem toda a razão, seja lá qual for a minha escolha, eu vou ficar feliz!

  8. Aurenice Figueira

    Olá… estou indo à Sintra este próximo fim de semana (30 ou 31/01/2015). Pelo relato, acho que vou passar 1 dia inteiro para tentar conhecer o máximo que puder. Será que tem um passe (ingresso) que possa comprar para todas os acessos aos palácios?
    Obrigada pelas dicas!!

  9. Aurenice Figueira

    Alessandro… ainda estarei por aqui, fico até início de abril rsrsrs. Durante a semana estudos, e no fim de semana, passeios e viagens que puder… Tentando aproveitar ao máximo, com poucos recursos (kkkkkk)

    Vou ler os outros posts pra encontrar maaaaais dicas. Valeu!!!!

  10. Roberta

    Alessandro, adorei os detalhes que vc descreveu de cada local, as fotos e seu bom humor! hahahaha Pergunta: em Portugal há daqueles postos de turismo onde distribuem mapas da cidade gratuitamente, como fazem na Itália, por exemplo? Apesar do mapa offline, ainda gosto do mapa na mão!
    Obrigada

    • Alessandro Paiva

      Oi, Roberta!!! Muito obrigado 🙂 Assim que desembarcar nas estações, aeroportos, rodoviárias etc., procure pelo balcão de informações. Eles costumam dar mapas. Os hotéis que fiquei em Lisboa davam mapas bem detalhados. Se não encontrar nenhum, eles são vendidos nas bancas. Se tudo der errado, salve um mapa offline e apele para o smartphone, rsrsrs! Eu só ando assim. Tem um aplicativo que chama My Pins, que puxa os mapas que monto no Google e os salva offline. O Google Maps também possibilita salvar esses mapas, mas só para Android. Não tem para Apple ainda.

      Abraço e ótima viagem 🙂

  11. Patricia Freire Henzel

    Boa Tarde Alessandro , ficamos com a mesma impressão de Sintra e com certeza dedicaríamos mais tempo a ela . Quando fores a próxima vez te indico o restaurante A Pendoa melhor bacalhau que comi em Portugal fica bem no centro e a proprietária dona Ana (uma senhora portuguesa bem típica) é muito acolhedora,este restaurante é interessante porque as mesas ficam no centro da sala e ao redor tem estantes que vendem artesanato da cidade muito legal .

    • Alessandro Paiva

      Oi, Patrícia! Hum, estive em Sintra há pouco mais de 10 dias, rsrsr! Mas vou voltar, adoro aquilo ali 🙂 Aí levo meus companheiros no A Pendoa. Eu mesmo, não vou comer, porque detesto qualquer tipo de frutos do mar, acredita?! Rsrsrs! Mas com certeza a Dona Ana tem outras comidinhas gostosas para servir 🙂 Abraço e muitíssimo obrigado pelo comentário!

  12. Giovanna

    Oi!
    Estou montando minha viagem,10/06 tostão por tostão hehe
    Quanto vc gastou por pessoa (mais ou menos,claro)para passar o dia em Sintra?Acha interessante ir de carro de Lisboa para fazer Sintra,Estoril e Cascais?Ou de trem e fazer so Sintra?
    Valeu!!

    • Alessandro Paiva

      Oi, Giovanna! Não sei ao certo quanto gastamos, mas não foi muito caro. Até Sintra, aconselho vocês a irem de trem e lá na cidade peguem o ônibus turístico, conforme oriento na postagem acima. Já Cascais e Lisboa, pegue o trem (veja meu relato de Lisboa). O lugar é pequeno e o passeio é mais bacana se feito a pé.

      Agora, se quiser contratar um motorista/excursão para ir a outras cidades (acho que também fazem Cascais e Estoril), tem empresa com pacotes de um único dia. Estive em Lisboa no mês passado e pegamos uma van muito boa do aeroporto até onde ficamos hospedados. O motorista, muito solícito, diz que também faz esse tipo de passeio. O nome dele é José Ferreira. No cartão dele tem somente o telefone de Lisboa: (+351) 91 651 2363. Assim que chegar a Lisboa, dê uma ligada para ele. Tem um passeio de uns 80 euros, indo a 4 cidades que não me lembro exatamente, acho que Fátima, Batalha, Óbidos e Nazaré. Se achar interessante…

      Enfim, até Sintra ou Cascais/Estoril, compensa mais ir de trem.

      Abraços!!! 🙂

  13. Regina Célia

    Oi Alessandro estamos indo para Portugal e infelizmente deixei um dia só para Sintra. Pena q não vi o seu blog antes…. Vi que você chegou cedo que horas você terminou todos os seus passeios por Sintra? As informações que você deu são sensacionais , muito obrigada.

    • Alessandro Paiva

      Oi, Regina!! Muito obrigado 🙂

      Não se preocupe. Com um dia, você aproveita bastante Sintra. Voltei lá há dois meses, dessa vez com mais pessoas, e tudo correu perfeitamente bem. Nas duas vezes, terminamos o roteiro por volta das 16h30, relativamente cedo. Não era primavera ou verão, então o sol se punha mais cedo. Mas, agora que já é quase verão por lá, a noite demora mais a cair, então dá pra aproveitar bem mais.

      Uma excelente viagem pra vocês! Aproveitem bastante 🙂

  14. Fernanda Lemos

    Olá Alessandro muito bom seu relato, parabéns! Quanto tempo você gastou a pé do Palácio Nacional de Sintra até a Quinta da Regaleira? Muito obrigada.

    • Alessandro Paiva

      Oi, Fernanda! Muito obrigado 🙂 A caminhada não é muito longa. Se não me engano, não demoramos mais que 15 minutos. Acabei de recorrer ao querido Google Maps: 13 minutos 🙂

      Abraço e ótima viagem!!!

  15. Pingback: 10 lugares reais que parecem saídos de contos de fadas | Dela Mila

  16. Gustavo Almeida

    Muito bom o site, “perdi” um bom tempo viajando na tela do pc.
    Tenho uma duvida sobre o Onibus 434 de Sintra, quando ao comprar o ingresso, voce pode entrar e sair dele a qualquer momento, ir em um e voltar no seguinte, ou existe um horario pré determinado de parada em cada lugar?!

    • Alessandro Paiva

      Oi, Gustavo!! Muito obrigado! Quanto ao ônibus, você pode embarcar e desembarcar quantas vezes precisar, em qualquer parada. Tem apenas que manter o bilhete com você o tempo todo, mostrando-o ao motorista sempre que embarcar. Não sei a frequência dos ônibus, mas não demoram muito. Abraço!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: